O que faz a Gestão da Qualidade na área da saúde?

Qualidade pode ser entendida como confiabilidade.


Na semana que passou (11 a 14/11/19), comemoramos a semana da Qualidade.

São 100 anos de Qualidade.

A Gestão da Qualidade iniciou logo após o fim da 1ª guerra mundial. Assim, mesmo que tenham havido iniciativas anteriores, nesse período a qualidade “começou a tomar o mundo” de forma efetiva.


A Gestão da Qualidade em saúde caracteriza-se por um conjunto de particularidades relacionadas não só aos cuidados globais com a saúde, como também à eficiência do setor administrativo e da organização dos processos de trabalho. A Qualidade focada e com resultados mensurados na saúde, tomou corpo somente no início dos anos 2000.


A Qualidade, antes considerada como um fator desejável, passa a ser um atributo indispensável e um elemento diferenciador no processo de atendimento das expectativas dos clientes e usuários.


Desde que teve início o atendimento médico-hospitalar, pôde-se identificar uma preocupação com a qualidade, uma vez que parece pouco provável o fato de alguém atuar sobre a vida de seu semelhante sem manifestar a intenção de fazê-lo com a melhor qualidade possível.


A qualidade em saúde engloba aspectos bastante abrangentes, como educação em saúde, acesso às informações sobre programas de prevenção, rastreamento das doenças, formação profissional, disponibilidade de equipamentos para diagnóstico e recursos terapêuticos disponíveis.

Para garantir excelência na qualidade, as instituições, na maioria das vezes, são submetidas a processos de auditorias ou avaliações, como a acreditação, que fornece as orientações básicas para a implantação de um sistema de gestão que atenda aos requisitos.


A Acreditação Hospitalar configura-se como uma metodologia desenvolvida para apreciar a qualidade da assistência oferecida em todos os serviços de um hospital. Tem como base a avaliação dos padrões de referência desejáveis, construídos por peritos da área e previamente divulgados, e nos indicadores ou instrumento que o avaliador emprega para constatar os padrões que estão sendo analisados. A solicitação da Acreditação pela instituição é um ato voluntário, periódico, espontâneo, reservado e sigiloso em que se pretende obter a condição de acreditada de acordo com padrões previamente aceitos, na qual é escolhida a instituição acreditadora que desenvolverá o processo de Acreditação


O conceito de gestão da qualidade em saúde, vinculado à sustentabilidade, levou instituições de saúde a se transformarem visando ao futuro. Isso porque a proposta incentivou mudanças na gestão que alcançassem a excelência nos processos, associadas à reestruturação e à inovação.


Algumas ferramentas técnicas de gestão são grandes aliadas como suporte, pois auxiliam na avaliação de processos e implementação de melhorias nas instituições de saúde. Entre as principais, podemos destacar:

- Matriz SWOT — tem como finalidade a identificação de forças e fraquezas e de oportunidades e ameaças;ciclo

- PDCA — a sigla refere-se às iniciais das palavras plan, do, check e action que, em português, significam planejar, fazer, checar e agir. O ciclo tem por finalidade facilitar os processos, tornando-os mais fáceis e claros;

- 5W2H — trata-se de um roteiro de monitoramento de processos que direciona a efetividade das ações, indicando o que será feito, por que, onde, quando, por quem, como será feito e quanto custará fazer.

- Diagrama de Ishikawa — também conhecido como Diagrama de Causa e Efeito ou Diagrama Espinha de Peixe, é um gráfico cuja finalidade é organizar o raciocínio em discussões de um problema prioritário, em processos diversos.


Vale ressaltar que a gestão de fornecedores contribui significativamente para a qualidade no setor saúde, já que é uma área relevante dentro das empresas pela obtenção de produtos e serviços que na maioria das vezes são críticos.


Benefícios da implantação da gestão da qualidade na saúde:


– Padronização e controle dos processos e compromisso com o resultado: a gestão da qualidade aplica uma visão sistêmica do processo permitindo o controle e mensuração dos resultados.

– Mitigação de retrabalho e redução de gastos desnecessários: seguir corretamente a legislação e normativas de acreditações e certificações norteia a instituição para a diminuição de erros evitáveis.

– Gerenciamento de riscos: prevenção e correção dos erros antes que eles aconteçam e aproveitar as oportunidades antes dos seus concorrentes.

– Melhoria contínua: cultura de notificações, análise e tratativas com envolvimento das equipes e da alta gestão com foco em segurança do paciente, em toda linha do cuidado, com os atores diretos ou indiretos responsáveis pelo sucesso no resultado esperado.

– Interação entre os processos: A instituição é um sistema com peças em movimento e devem ter o mesmo foco, o paciente.

– Imagem de mercado: A instituição é reconhecida pela excelência na segurança do paciente ou o caminho para tal. Consegue a visualização e oportunidades de negociação com as operadoras, saindo na frente da concorrência, além da credibilidade.


Trabalhar com a qualidade e segurança do paciente deve ser o objetivo de qualquer instituição de saúde.


Quais as principais certificações?

O processo de certificação avalia a instituição como um todo, comprovando a qualidade das estruturas, dos serviços prestados e dos funcionários da instituição de saúde visitada. Conheça as principais.


Organização Nacional de Acreditação (ONA)

Uma das principais instituições brasileiras associadas à qualidade dos serviços de saúde e à segurança do paciente é a ONA. Muitas organizações da área de saúde optam por essa certificação, pois ela permite uma melhora nas estratégias de gestão.

Esse método adere três níveis de certificação — sendo o Nível 1 Acreditado, o Nível 2 Acreditado Pleno e o Nível 3 Acreditado com Excelência —, com o objetivo de estimular a melhoria contínua dos processos.


Acreditação Nacional Integrada para Organizações de Saúde (NIAHO)

A acreditação NIAHO é de nível internacional e tem várias diretrizes focadas na conquista de resultados mais eficientes e eficazes. Seu diferencial está nos conhecimentos em gestão de riscos. Dessa forma, permite que todos os procedimentos ligados à avaliação do paciente sejam mais controlados, evitando erros e prejuízos para a saúde dos doentes.


Accreditation Canada International (ACI)

A acreditação ACI é o braço do nível internacional da Accreditation Canada. Ela avalia as instalações médicas para atendimento clínico, administração e infraestrutura. A empresa que adota a ACI obtém maior satisfação do paciente, melhora nas taxas de triagem e imunização, além de apresentar redução de custos.


Joint Commission International (JCI)

A JCI é uma organização não governamental que tem como objetivo promover padrões rigorosos de atendimento ao paciente e fornecer soluções para maximizar resultados.

Portanto, os padrões definidos pela JCI foram desenvolvidos para garantir um ambiente seguro aos profissionais da saúde, oferecer qualidade e segurança do paciente, estimular e realizar melhorias contínuas por meio de um método confiável, entre outras. Essa acreditação tem validade de três anos.


O desafio de implantar gestão da qualidade, costuma ir além de encontrar novas e mais eficientes maneiras de realizar procedimentos do dia a dia das instituições de saúde. Além de motivar a equipe atarefada e com ações complexas, que está na linha de frente, é fundamental convencer quem toma as decisões e dá a chancela para a execução de muitas ações. Não bastam bons argumentos, é preciso também falar a mesma linguagem e evidenciar resultados.





Referências bibliográficas:

www.cqconsultoria.com.br

https://www.efcaz.com.br/blog/entenda-a-importancia-da-gestao-da-qualidade-em-saude

http://www.inovarse.org/sites/default/files/T16_M_07.pdf

https://www.segurancadopaciente.com.br/seguranca-e-gestao/como-elaborar-e-aprovar-projetos-de-gestao-da-qualidade-em-saude/

http://www.ibes.med.br/quais-sao-beneficios-da-acreditacao/




57 visualizações0 comentário