top of page

Efeitos das interrupções e distrações clínicas e assistenciais

Atualizado: 6 de nov. de 2023

Interrupções e distrações clínicas e assistenciais são preocupações sérias em ambientes de saúde, pois podem ter consequências graves para a segurança do paciente.


Essas interrupções e distrações podem ocorrer em qualquer ambiente de cuidados de saúde, desde consultórios médicos até unidades de terapia intensiva. Neste texto, discutiremos os efeitos indiretos e distrações e apresentaremos medidas de segurança para mitigar seus impactos negativos.

Médicos: Interrupções inesperadas podem levar a erros médicos, como prescrição de medicamentos incorretos, dosagens específicas ou diagnósticos imprecisos, devido à perda de concentração do profissional de saúde.


Atrasos no Atendimento: Distrações podem atrasar a prestação de cuidados, prejudicando o tratamento oportuno dos pacientes. Isso pode ser especialmente crítico em situações de urgência e emergência.


Redução da Qualidade do Cuidado: Quando os profissionais de saúde são frequentemente interrompidos, a qualidade geral do cuidado pode ser comprometida, pois eles não conseguem se concentrar completamente em suas tarefas.


Aumento do Estresse: Interrupções e distrações podem aumentar o estresse e a sobrecarga dos profissionais de saúde, afetando qualidades sua saúde mental e bem-estar.


Segurança do Paciente em Risco: Interrupções e distrações podem desviar a atenção dos profissionais de saúde de procedimentos críticos, como cirurgias, colocando a segurança do paciente em risco.


Medidas de Segurança para Mitigar Interrupções e Distrações:

  1. Ambiente Designado: Criar áreas ou momentos designados para comunicações e interações não urgentes, minimizando interrupções durante procedimentos críticos.

  2. Comunicação Eficaz: Estabelecer diretrizes para a comunicação eficaz entre a equipe de saúde, incentivando a troca de informações de forma organizada e segura.

  3. Protocolos de Interrupção: Implementar protocolos para avaliar a relevância das interrupções, permitindo que os profissionais priorizem tarefas críticas.

  4. Treinamento em Gerenciamento de Interrupções: Fornecer treinamento para profissionais de saúde sobre como lidar com interrupções e distrações de forma eficaz, incluindo técnicas de reorientação da atenção.

  5. Tecnologia de Assistência: Utilizar tecnologias, como sistemas de registro eletrônico de saúde, para ajudar a gerenciar informações e minimizar a necessidade de interferências ocasionais.

  6. Defensores da Segurança do Paciente: Nomear profissionais ou equipes responsáveis ​​por monitorar e relatar interrupções e distrações que afetam a segurança do paciente.

  7. Feedback e Melhoria Contínua: Incentivar uma cultura de feedback e aprendizagem, para que a equipe possa identificar causas de interrupções e implementar melhorias.

  8. Políticas Institucionais: Estabelecer políticas institucionais que promovam um ambiente de trabalho com menor número de interrupções e distrações.

As interrupções e distrações clínicas e assistenciais podem ter sérios impactos na segurança do paciente e na qualidade do cuidado. Adotar medidas de segurança e promover uma cultura de atenção à prevenção dessas perturbações são passos essenciais para mitigar esses riscos e garantir um ambiente de cuidados de saúde mais seguro e eficaz.



21 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page