CME- A importância do profissional capacitado na Central de Material e Esterilização

Atualizado: 6 de Set de 2021

Essa é a área responsável pela limpeza e processamento de artigos e instrumentais médico hospitalares. É na CME que se realiza o controle, o preparo, a esterilização e a distribuição dos materiais e instrumentais.


Normalmente numa CME temos vários equipamentos e rotinas que asseguram a higienização e desinfecção dos instrumentais hospitalares, laboratoriais e de procedimentos invasivos. Dentre eles temos:

- Expurgo (área suja)

Onde há o recebimento, conferência, lavagem e secagem dos itens recebidos dos setores que os utilizaram. A higienização deve retirar todas as sujidades dos materiais. Podem ser utilizados equipamentos automatizados de limpeza, como a lavadora ultrassônica, por exemplo.

- Preparo e esterilização

A preparação do material antes da esterilização envolve remoção da umidade e acondicionamento dos artigos (bandejas, embalagens, caixas).

A principal forma de esterilização feita nos hospitais é por meio do calor úmido, com o uso dos equipamentos de autoclave. Existem vários tipos de autoclaves desde as mais complexas e de barreiras utilizadas em hospitais e empresas especializadas nesses serviços, passando por autoclaves para setores de microbiologia em laboratórios e até mesmo as mais simples utilizadas em serviços de manicure, por exemplo. Todas têm a mesma função de esterilização dos instrumentais ou insumos.

- Monitoramento do processo de esterilização

Todo material que passa por um processo de esterilização passa por um monitoramento, para garantia da sua esterilidade. São utilizados indicadores específicos para a verificação da qualidade.

- Armazenamento e distribuição (área limpa)

Os produtos esterilizados são armazenados em locais limpos e secos até seu momento de distribuição para o setor que usará os insumos e instrumentais, sempre com atenção para a data de validade da esterilização.

É necessário realizar acompanhamento e manutenção regular de todos os equipamentos utilizados na limpeza automatizada e na esterilização, para garantir a qualidade dos artigos processados pelo CME. Essa qualificação é feita pela engenharia clínica da organização.


Uma CME bem implantada, com processos seguros (estrutura física e tecnológica, além de recursos humanos capacitados), tem como principal objetivo, evitar a transmissibilidade de microrganismos através do uso de materiais e, também, de reduzir a chance de infecção de pacientes. Normalmente são comandadas por enfermeiros que se responsabilizam pelo gerenciamento e segurança das ações.


Os processos básicos que ocorrem em uma CME são:

- inspeção do material sujo recebido;

- limpeza;

- preparo do material;

- embalagem com materiais adequados;

- esterilização (por diferentes métodos);

- armazenamento até o momento do transporte do material para os setores.


Alguns dos materiais que devem ser esterilizados na CME:

- Materiais cirúrgicos e de vídeo cirurgias, pinças, tesouras, bisturis, endoscópios, colonoscópios, ambus, fios guias, materiais de ablação, materiais de ortopedia, campos cirúrgicos e muito mais. Em laboratórios temos os tubos, pipetas, placas, frascos, entre tantos outros.


O gerenciamento da enfermagem no CME de hospitais e clínicas e de biomédicos em laboratórios, contempla o planejamento da unidade e a escolha dos recursos materiais e humanos. Os enfermeiros também assumem a responsabilidade de selecionar, capacitar e dimensionar o pessoal envolvido nos processos.


A atuação do profissional capacitado na CME é de total importância aos ambientes clínicos. Isso porque, além de oferecer tratamento adequado a cada artigo que chega ao setor, contribui diretamente para a segurança do paciente.


O responsável pela CME também deve se atualizar constantemente sobre as novas formas de contaminação microbiológica, provenientes de fluidos corporais e agentes químicos que possam adentrar no ambiente da saúde, ou seja, deve estar em constante reciclagem para que ele tenha embasamento teórico sobre os diferentes tipos de processamento de produtos, quais são as substâncias mais indicadas para cada tarefa e como avaliar a efetividade das ações.


Uma CME gerenciada e segura deve garantir:

  • avaliação e segurança da infraestrutura física;

  • análise das rotinas;

  • verificação da vida útil dos equipamentos;

  • levantamento das informações sobre o domínio das técnicas pelos funcionários, entre outras atividades.


Também é crucial que o profissional líder coordene as atividades da CME por meio da supervisão de seus funcionários, da identificação dos indicadores biológicos ou químicos inseridos no processo e da eficiência do serviço.

Outro ponto de responsabilidade do profissional é a execução das atividades gerenciais relacionadas à área, a exemplo do levantamento de não conformidades e alterações de rotina mediante discussão dos setores solicitantes. E também fazer com que a utilização dos EPIs e EPCs sejam cumpridas à risca, para promover a segurança dos profissionais envolvidos.


A CME tem total importância e extrema responsabilidade para o controle das infecções relacionadas à assistência a saúde (IRAS), por isso deve garantir que as técnicas de assepsia sejam rigorosamente seguidas.





Fontes:

segurancadopaciente.com.br/seguranca-e-gestao/reprocessamento-de-materiais-para-a-saude-atuacao-dos-enfermeiros

https://www.ceen.com.br/atuacao-da-enfermagem-na-cme

https://blog.arkmeds.com/2017/06/23/tipos-de-cme-quais-as-particularidades-de-cada-um




31 visualizações0 comentário